O Que Realmente Impulsiona os Resultados da Organização?

Esqueça os altos salários e bônus astronômicos, esqueça os estrelismos, esqueça qualquer poder mágico especial, o segredo para a excelência Organizacional pode estar bem na sua frente.

Tem tudo a ver com gestores e líderes!

Sim, embora as novas tecnologias, os programas de treinamento, e o redesenho de processos contribuam para melhorar os resultados e aumentar a produtividade, nada é mais decisivo e poderoso para impulsionar os resultados da Organização do que a atuação de gestores e líderes eficazes. Isso é o que eu chamo de “Efeito Gestão”. Considerando a gestão e a liderança como uma influência positiva nos membros da equipe, estimulando-os a desafiarem a si mesmos, a serem mais produtivos e a trabalharem de forma comprometida, podemos dizer que gestores e líderes eficazes são os fatores-chave que determinam os resultados da Organização.

Minha experiência me mostrou vários exemplos que corroboram o que estou dizendo, mostrando o quanto uma boa gestão influencia a atitude da equipe, e o comprometimento com os resultados. Uma vez, em uma indústria automotiva, uma trabalhadora da linha de montagem notou uma diferença no tratamento superficial em um novo lote de um determinado tipo de parafusos. A diferença era realmente sutil, tinha o mesmo tamanho e forma, mas um aspecto diferente no tratamento de superfície. Este parafuso passou pelos procedimentos de qualidade de entrega do fornecedor, passou pelo processo de recebimento na fábrica, passou pela inspeção de qualidade, mas não passou pelo olho comprometido de uma montadora da linha de montagem. Adivinhe onde tínhamos um grande gestor trabalhando? Sim, na linha de montagem.

Estudos mostram correlação entre liderança eficaz e resultado organizacional!

O estudo “Liderança e Trabalho em Equipe: Os Efeitos da Liderança e Satisfação no Trabalho no Sentimento da Equipe” (Leadership and Teamwork: The Effects of Leadership and Job Satisfaction on Team Citizenship), publicado em 2007, foi conduzido por Seokhwa Yun (Universidade de Seul), Jonathan Cox (Houston, TX), Henry P. Sims Jr. & Sabrina Salam (Universidade de Maryland), e avaliou os cinco arquétipos de liderança: liderança aversiva (os líderes usam métodos aversivos como repreensão ou intimidação), liderança diretiva (líderes tomam decisões, dão comandos e esperam que empregadores executem as decisões), liderança transacional (líderes se envolvem em relações de troca com funcionários, negociando e fornecendo estrategicamente recompensas em troca do cumprimento de metas), liderança transformadora (líderes inspiram, estimulam, motivam e desafiam funcionários), liderança empoderadora (líderes promovem auto-influência e autogestão). Os resultados sugeriram que a liderança transformadora e empoderadora são os tipos mais eficazes para a orientação das equipes, os outros estilos de liderança não tiveram efeitos significativos (liderança diretiva e transacional) ou tiveram um efeito negativo (liderança aversiva) e a pesquisa sustenta a noção de que a liderança transformadora e capacitadora pode melhorar o trabalho em equipe através da influência na satisfação no trabalho.

Outro estudo chamado “O Efeito dos Estilos de Liderança sobre o Desempenho Organizacional em Empresas Estatais no Quênia” (The Effect of Leadership Styles on Organizational Performance at State Corporations in Kenya), de Peris M. Koech & Prof. G.S Namusonge, publicado em 2012, foi realizado em 30 empresas estatais com sede em Mombasa, no Quênia. Este estudo estendeu-se aos gerentes de nível médio e superior e dividiu a liderança em transformadora (os líderes incentivam os membros a ir além de seus limites, com um sentimento de confiança, admiração, lealdade e respeito em relação aos líderes), transacional (os líderes se concentram principalmente nas necessidades dos funcionários e a relação é baseada na troca ou recompensa de barganha) e laissez-faire (o líder não intervém nos assuntos de trabalho dos subordinados e evita responsabilidades). Os resultados mostraram que as correlações entre a liderança transformadora e o desempenho organizacional eram altas, as correlações entre a liderança transacional e o desempenho organizacional eram relativamente baixas, e o estilo de liderança do laissez-faire não estava significativamente correlacionado ao desempenho organizacional.

O estudo “Comportamentos de Liderança: Efeitos sobre a satisfação no trabalho, produtividade e comprometimento organizacional ” (Leadership behaviours: Effects on job satisfaction, productivity and organizational commitment), publicado em 2001 por Jennifer C F Loke (Universidade de Hull- Reino Unido), realizado em organizações de saúde, em Cingapura, é uma replicação de estudos anteriores realizados nos Estados Unidos (Seattle e Los Angeles). Houve algumas diferenças na amostragem e na configuração, no entanto, os resultados são semelhantes aos estudos originais, ou seja, a produtividade e a satisfação no trabalho dos colaboradores, e o comprometimento organizacional, apresentaram uma correlação estatística com o comportamento das lideranças.

Outro estudo, “Como a liderança importa: Os efeitos do alinhamento dos líderes na implementação da estratégia” (How leadership matters: The effects of leaders’ alignment on strategy implementation ), de Charles A. O’Reilly (Universidade de Stanford), David F. Caldwell (Universidade de Santa Clara), Jennifer A. Chatman ( Universidade da Califórnia), Margaret Lapiz (Grupo Médico Permanente-EUA), William Self (Universidade da Califórnia), publicado em 2009, analisou uma grande organização de saúde que fornece assistência médica a mais de um milhão de membros e mostrou um efeito de interação altamente significativo entre a liderança eficaz e o desempenho dos colaboradores.

O Efeito Hawthorne é outro estudo importante realizado na empresa Hawthorn Works (Chicago, Illinois) e diz, basicamente, que as pessoas mudam e melhoram seu comportamento em resposta à sua consciência de serem observadas. Para gestores e líderes, é outra mensagem clara de que boa influência pode levar a bons resultados. Mas, quem nunca percebeu isso?

Um gestor eficaz constrói um relacionamento de confiança e respeitoso com os membros da equipe, orientando-os, desafiando-os a assumirem desafios, e conduzindo-os às conquistas. Outra coisa, muito importante, ele desenvolve os membros da equipe que têm potencial, e substitui os que não têm desempenho.

Ter gestores e líderes eficientes não é a única maneira de melhorar os resultados Organizacionais, mas é a mais poderosa! Você provavelmente já pensou em melhorar o desempenho organizacional redesenhando processos ou implementando novas tecnologias, o que está correto, mas recomendo enfaticamente começar pelas lideranças, e o mais correto ainda, é fazê-lo de cima para baixo, do CEO ao chão de fábrica.


Autor: Rodrigo Vargas – Engenheiro mecânico (UFPR), pós-graduado em engenharia de man. mecânica (UFPR), pós-graduado em gestão empresarial (FGV), com mais de 17 anos de experiência em ambiente industrial, sendo mais de 13 anos ocupando cargos de gestão na indústria automotiva e eletroeletrônica.


Compartilhe o post na sua rede!