Autoconfiança Não É Arrogância!

Autoconfiança não é arrogância

“Arrogância é a camuflagem da insegurança”

Tim Fargo – autor e empresário americano.

Você já deve ter trabalhado com aquele sujeito que se acha melhor e mais importante do que os outros, mas que, na verdade, está longe de sê-lo; é apenas mais um daqueles arrogantes corporativos. Isso ocorre pela formação da personalidade, muitas vezes pelo exemplo na família, outras pela falsa ideia de que, ao se posicionar como melhor que os outros, ele o será de verdade. Acontece que, quando queremos ser melhores que nós mesmos, e trabalhamos para isso, o seremos; mas, quando queremos apenas parecer melhores que os outros, fracassaremos. O grande equívoco é confundir autoconfiança com arrogância. Enquanto que, autoconfiança significa Continue lendo “Autoconfiança Não É Arrogância!”

O Dilema das Promoções

O Dilema das Promoções
O Dilema das Promoções

Imagine que um gestor na sua Organização deve ser substituído, seja porque ele está deixando a empresa em busca de outros desafios, seja porque não estava correspondendo satisfatoriamente às expectativas. De qualquer modo, essa é uma situação do cotidiano das Organizações. Nesse momento, sempre vem à tona a questão: promover internamente, ou selecionar no mercado. E quem é o candidato ideal? Continue lendo “O Dilema das Promoções”

5 Regras de Liderança para o Dia-a-Dia do Gestor!

Eu trabalhei na indústria por quase 20 anos, sendo que mais de 13 foram em cargos de gestão, com grande responsabilidade sobre processos fundamentais do negócio. Nesse período, além de buscar desenvolver as competências de gestão que eu considero as mais importantes (gestão do tempo, estabelecimento de metas, organização, delegação de poderes, avaliação eficaz da equipe, desenvolvimento de competências, liderança, análise crítica, melhoria contínua, planejamento, visão detalhada dos processos que administra, visão geral dos processos da organização), procurei adotar 5 regras de ouro para o meu dia-a-dia, que eu acreditava serem relevantes, e que os anos de trabalho me mostraram ser imprescindíveis: Continue lendo “5 Regras de Liderança para o Dia-a-Dia do Gestor!”

A Miopia do Marketing

Em vez de meramente ganhar dinheiro, o objetivo de uma empresa é criar e manter um cliente.”

Ted Levitt

Theodore “Ted” Levitt (1925-2006), foi um economista alemão, naturalizado americano, que lecionou na Harward Business School, além de ter sido editor da Harward Business Review. Ted Levitt, em 1960, escreveu um de seus mais contundentes e conhecidos trabalhos, o artigo Marketing Myopia (A Miopia do Marketing – em tradução livre), em que desenvolve o pensamento de que as empresas terão melhores resultados no final se se concentrarem em atender às necessidades dos clientes, ao invés de simplesmente se focarem nos produtos. Continue lendo “A Miopia do Marketing”

O Efeito da Mera Exposição

O Efeito da Mera Exposição

Você, provavelmente, já experimentou a sensação de ouvir uma nova música e não se agradar muito com ela no começo, mas, depois de ouvi-la várias vezes, você até começa a curti-la. Ou, então, um novo produto que é comercializado não chama sua atenção no primeiro momento, mas depois de tanto ver propagandas, comentários na internet, e matérias sobre ele, você começa a vê-lo com outros olhos. Por que isso ocorre? Entre outras coisas, pelo chamado “Efeito da Mera Exposição”.

O Efeito da Mera Exposição diz que a exposição repetida a um estímulo é suficiente para melhorar a nossa atitude em relação a esse estímulo, ou, em outras palavras,  nós tendemos a gostar mais de coisas quando elas nos são familiares, ainda que isso aconteça por um motivo banal. Continue lendo “O Efeito da Mera Exposição”

O Efeito Enquadramento

Framing Effect - Efeito Enquadramento - Abordagem

A psicologia cognitiva descobriu, ao longo das últimas décadas, que o cérebro humano depende de vieses cognitivos para processar informações e tomar decisões rápidas. Um viés cognitivo é um padrão de julgamento, é uma regra básica prática (atalho) para tomada de decisões que o nosso cérebro usa em determinadas situações, e que não segue, necessariamente, um padrão lógico e racional. O Efeito Enquadramento (Framing Effect em inglês) é um viés cognitivo em que as pessoas tomam decisões com base no fato das alternativas serem apresentadas em um contexto positivo ou negativo, e um de seus estudos mais conhecidos é o de Kahneman e Tversky. Continue lendo “O Efeito Enquadramento”

O Plano Estratégico Resumido em 4 Perguntas

O Plano Estratégico Resumido em 4 Perguntas

A importância de um planejamento estratégico dentro de uma Organização é indiscutível, pois ele é como uma bússola a guiar os negócios na direção desejada. Sem um bom planejamento, pode-se gastar dinheiro de forma errada, empregar esforços em vão e, ao fim, sucumbir à aspereza do mercado.

As 4 Perguntas

Um bom planejamento estratégico pode ser resumido em 4 perguntas ou, melhor ainda, nas respostas a essas 4 perguntas: Continue lendo “O Plano Estratégico Resumido em 4 Perguntas”

Deming – O Homem Que Mudou o Japão

Deming - O Homem Que Mudou o Japão

William Edwards Deming foi um dos americanos mais influentes no Japão, sendo apontado como um dos grandes responsáveis pela recuperação econômica do Japão pós-guerra. Akio Morita, um dos co-fundadores da Sony e um de seus principais executivos até próximo de sua morte em 1999, escreveu em seu livro Made in Japan, publicado em 1986, o seguinte parágrafo sobre Deming: The “patron saint” of Japanese quality control, ironically, is an American named W. Edwards Deming, who was virtually unknown in his own country until his ideas of quality control began to make such a big impact on Japanese companies.” Cuja tradução livre é a seguinte: “O “santo patrono” do controle de qualidade japonês, ironicamente, é um americano chamado W. Edwards Deming, que era praticamente desconhecido em seu próprio país até que suas ideias sobre controle de qualidade começaram a causar um enorme impacto nas empresas japonesas.”

Pontos de Vista

Do livro de W. Edwards Deming, Out of the Crisis, publicado em 1982, podemos retirar um pouco da essência de seu pensamento. Continue lendo “Deming – O Homem Que Mudou o Japão”

A Tragédia dos (Bens) Comuns e a Tirania das Pequenas Decisões

A Tragédia dos (Bens) Comuns e A Tirania das Pequenas Decisões

A Tragédia dos (Bens) Comuns (do inglês: The Tragedy of the Commons) é um conceito que foi introduzido pelo ecologista americano Garrett Hardin, em seu artigo The Tragedy of the Commons, publicado em 1968, na Revista Science. Ainda que a tradução mais comum que se encontre seja “A Tragédia dos Comuns”, essa não me parece a mais adequada,  já que no original “The Tragedy of the Commons”, a palavra “Commons” tem o sentido de “coletivo” ou “público”, e o simples emprego da palavra “Comuns” remete a pessoas, e não a bens, como é o caso. Por isso, com todo o respeito aos outros autores, usaremos aqui a tradução “A Tragédia dos Bens Comuns”.

Em seu artigo, Garrett Hardin exemplifica o conceito da seguinte forma: Continue lendo “A Tragédia dos (Bens) Comuns e a Tirania das Pequenas Decisões”

O Paradoxo de Fredkin

O Paradoxo de Fredkin

Você já se pegou angustiado antes de tomar uma decisão? Provavelmente, era uma decisão em que não havia uma significativa vantagem entre uma alternativa e outra, e a similaridade entre elas trazia uma dificuldade em definir a melhor escolha. Ao contrário, quando visualizamos uma clara vantagem entre uma e outra alternativa, a escolha é mais fácil. O curioso, no entanto, é que Continue lendo “O Paradoxo de Fredkin”

O Uso do Smartphone nas Organizações – Parte II: Análise Cruzada de Dados

O Uso do Smartphone nas Organizações - Análise Cruzada de Dados

Se você já viu a análise direta dos dados da pesquisa sobre O Uso do Smartphone nas Organizações, convido-o, agora, a explorar os resultados através da análise cruzada, onde podemos adentrar ainda mais nos meandros dos dados, obtendo informações mais características e distintas. Veja-as, a seguir. Continue lendo “O Uso do Smartphone nas Organizações – Parte II: Análise Cruzada de Dados”

O Uso do Smartphone nas Organizações

O Uso do Smartphone nas Organizações

Há pouco tempo tomei conhecimento de uma pesquisa sobre o uso do smartphone, feita pelo Ibope Conecta (no período de 21 a 26 de junho de 2018, com 2.000 internautas das classes A, B, C e D de todas as regiões do Brasil). Nessa pesquisa, foi feita a pergunta: por quanto tempo você consegue ficar sem usar seu smartphone? 15% responderam que não ficam sem o smartphone em momento algum, 8% disseram que ficam no máximo 1 hora sem o smartphone, 11% responderam que conseguem ficar até 2 ou 3 horas sem o smartphone, o mesmo percentual de quem fica até 6 horas sem mexer no celular, 7% disse que ficam até 12 horas, 18% até um dia, e 30% responderam que conseguem ficar mais de um dia sem o smartphone. Ao responderem a pergunta: O celular afeta negativamente sua vida? Apenas 31% afirmaram que Continue lendo “O Uso do Smartphone nas Organizações”

A Lei da Banalidade e o Impacto nas Organizações

A Lei da Banalidade e o Impacto nas Organizações

Cyril Northcote Parkinson, um autor e historiador inglês, publicou em 1958 seu livro: Parkinson’s Law – or The Pursuit of Progress, que é uma reunião de vários de seus artigos publicados anteriormente em revistas como The Economist, Harper’s Magazine e The Reporter. Seu livro, embora satírico, traz vários axiomas pertinentes ao mundo da administração que merecem  atenção, entre eles, a Lei da Banalidade, que, em resumo, diz que: Continue lendo “A Lei da Banalidade e o Impacto nas Organizações”

13 Sinais de Manipulação no Trabalho

Sinais de Manipulação no Trabalho

Uma das melhores definições ( simples e objetiva) de manipulação pode ser encontrada no dicionário Priberam, que diz que a manipulação é o ato de condicionar ou influenciar, geralmente, em proveito próprio. Apesar de, em geral, a manipulação ter um caráter pejorativo, pode acontecer dela ser positiva em determinadas situações, por exemplo, quando alguém tenta afastar uma pessoa do vício, ou da criminalidade. Mas aqui nesse texto, nos preocuparemos com o lado negro da manipulação, aquele tipo que pode prejudicar você.

O manipulador, em geral, esconde suas reais intenções, e carrega consigo um potencial danoso considerável e, por isso, deve ser considerada uma pessoa perigosa. Não subestime seu poder de destruição! O manipulador é um tipo sociopata (desequilíbrio patológico no comportamento social), ou psicopata (desequilíbrio patológico no controle das emoções), e atacará você por inveja, narcisismo, ou algum outro motivo sórdido. É um tipo que aparece em quase todas as Organizações de certo porte. A seguir, vamos ver alguns sinais de manipulação que facilitarão com que ela seja identificada a tempo de você se proteger: Continue lendo “13 Sinais de Manipulação no Trabalho”

Um Exercício Criativo para o CEO Fazer com o Planejamento Estratégico na Mão!

Um Exercício Criativo para o CEO Fazer com o Planejamento Estratégico na Mão!

O planejamento estratégico é um dos documentos mais importantes de uma Organização, ele contém a visão de futuro, os objetivos principais e seus planos de ação. Mas, o mais importante é que ele seja levado a cabo, que seja efetivamente concretizado para que se alcancem os benefícios esperados. E aí, logo após a conclusão dos trabalhos de preparação do planejamento, aparece um bom momento para uma reflexão do CEO, através de um exercício criativo simples, mas profundo: Continue lendo “Um Exercício Criativo para o CEO Fazer com o Planejamento Estratégico na Mão!”

Meta Implícita: Quando Usar?

Meta Implícita: Quando Usar?

A menos que haja comprometimento, há apenas promessas e esperanças … mas não há planos.

Peter Drucker

Meta implícita é um recurso de gestão utilizado para buscar engajamento das pessoas a um objetivo específico, embora sem atribuir uma meta numérica específica. Veja que, ainda que não haja uma meta numérica específica, o objetivo deve ser claramente estabelecido, e a forma de consegui-lo também. Assim todos os envolvidos saberão como adotar uma postura de comprometimento com o objetivo proposto. Dessa forma, a meta implícita é um recurso de gestão que pode ser utilizado quando Continue lendo “Meta Implícita: Quando Usar?”

Shisa Kanko – Uma Eficaz Técnica Japonesa para Redução de Erros

Shisa Kanko (“pointing and calling” no Inglês, ou “apontar e falar” no Português) é uma técnica japonesa de verificação de pontos importantes e críticos com o objetivo de evitar erros, cujas origens apontam o uso nas ferrovias do Japão, no começo do século XX, ao se buscar maior confiabilidade na condução dos trens e segurança dos passageiros.

O Método

A técnica possui dois protocolos básico, segundo informações do JICOSH (Centro Internacional para Saúde e Segurança Ocupacional do Japão). O que eu, particularmente, gosto mais (e utilizo em várias situações) consiste em Continue lendo “Shisa Kanko – Uma Eficaz Técnica Japonesa para Redução de Erros”

A 4ª Revolução Industrial

A Indústria 4.0

A 4ª Revolução Industrial (popularizada com o termo Indústria 4.0) é o nome que se dá à nova fase de industrialização que estamos vivendo hoje, com robôs industriais, equipamentos conectados à internet, inteligência artificial, big data, informações em nuvem, entre outros avanços da indústria. Mas, para melhor compreender as suas características, vamos mergulhar um pouco na história e acompanhar o ciclo evolutivo desde a primeira revolução industrial, que começou na Inglaterra do século XVIII. Continue lendo “A 4ª Revolução Industrial”

O Poder da Motivação!

O Poder da Motivação!

Nossa maior fraqueza está em desistir. A maneira mais certa de ter sucesso é sempre tentar apenas mais uma vez.

-Thomas Edison

A motivação de equipes é um dos grandes desafios no meio corporativo, sendo uma das competências principais de um líder, pois é a força motriz que alavanca os resultados da Organização. A motivação está intimamente ligada à uma visão positiva das coisas, pois temos sempre duas maneiras de encarar tudo: positivamente ou negativamente. Isto não quer dizer não se preparar para os obstáculos e dificuldades, mas sim, acreditar que o melhor pode acontecer, apesar de se preparar para o pior. É como dizia Theodore Roosevelt: Continue lendo “O Poder da Motivação!”

Extrovertido ou Introvertido: Quem Tem Melhor Liderança?

Extrovertido ou Introvertido: Quem Tem Melhor Liderança?

Susan Cain, uma introvertida insatisfeita com a forma com que, culturalmente, os introvertidos em geral são vistos, publicou em 2012 o livro: Quiet: The Power of Introverts in a World That Can’t Stop Speaking (O Poder dos Quietos: Como os Tímidos e Introvertidos Podem Mudar um Mundo que Não Para de Falar). Nesse livro ela aborda aspectos até então esquecidos pela grande maioria, como o potencial de contribuição dos introvertidos e sua inteligência. No livro, ela cita alguns exemplos bem conhecidos de pessoas introvertidas com contribuições incontestáveis, veja a seguir: Continue lendo “Extrovertido ou Introvertido: Quem Tem Melhor Liderança?”

O Efeito Lúcifer nas Organizações: e o Porquê de Você Estar Atento

 Lúcifer é o nome dado ao anjo caído do céu por conta de seu orgulho; era bom, e tornou-se mal. Segundo o psicólogo e professor da Universidade de Stanford, Philip Zimbardo, o Efeito Lúcifer é a transformação no comportamento humano que leva pessoas boas que adquirem poder a fazer o mal. O prof. Zimbardo define “fazer o mal” como sendo o comportamento intencional de maneira a prejudicar, abusar, humilhar, desumanizar ou destruir outros inocentes, ou usar sua autoridade e poder sistêmico para encorajar ou permitir que outros o façam em seu nome. Conhecemos o ditado que diz: colocar maçãs boas num mesmo cesto com maçãs ruins, tornará todas ruins. Pois bem, o efeito Lúcifer diz que colocar maçãs boas em cestos ruins, tornará essas maçãs ruins.
Continue lendo “O Efeito Lúcifer nas Organizações: e o Porquê de Você Estar Atento”

SQDC: Adote esse Mantra Corporativo

Segundo o dicionário Michaelis, o mantra representa, no budismo e no hinduísmo, uma fórmula de força transcendente que, entoada repetidamente, tem o intuito de trazer proveitos psíquicos e espirituais. Por extensão, estamos abordando, aqui, o SQDC como um mantra corporativo, ou seja, uma fórmula simples e fácil de lembrar, e que praticada cotidianamente pode trazer proveitos para as pessoas e o negócio. Como? Continue lendo “SQDC: Adote esse Mantra Corporativo”

As Forças Impulsionadoras da Compra

As Forças Impulsionadoras da Compra

Embora haja inúmeros estudos sobre os fatores que influenciam a decisão do consumidor, é fácil perceber empresas (das pequenas até as grandes) negligenciando pontos básicos. A seguir, vamos discorrer sobre as características das 3 forças (“poder comprar”, “precisar comprar”, e “querer comprar”) que agem sobre o consumidor, como estímulo para a compra, e suas principais características.

Poder Comprar

Provavelmente, a mais forte de todas as forças, no sentido de evitar uma compra, pois está relacionada à Continue lendo “As Forças Impulsionadoras da Compra”

O Sábio Conselho de Elbert Hubbard

O Sábio Conselho de Elbert Hubbard.

Elbert Hubbard foi um filósofo e escritor norte-americano, nascido em 1856, e falecido aos 58 anos, quando viajava com sua esposa no navio de passageiros britânico RMS Lusitania, que foi afundado por um submarino alemão, durante a segunda guerra mundial. Elbert Hubbard deixou uma coleção de escritos muito interessante. Eu extraí de seu livro Love, Life & Work (Amor, Vida & Trabalho – em tradução livre) um trecho do capítulo Atitude Mental, com as partes que considero mais interessantes e inspiradoras. Veja esse trecho, traduzido por mim, a seguir: Continue lendo “O Sábio Conselho de Elbert Hubbard”

Como Argumentar com Eficácia?

Como Argumentar com Eficácia?

Argumentar é a arte de expor ideias, e, argumentar com eficácia é, além disso, conseguir ser compreendido e atingir seus objetivos ao expor sua ideia. Como diz o professor Antonio Suárez Abreu (em seu livro A Arte de Argumentar): argumentar é convencer, no sentido de vencer com o outro.

Para argumentar com eficácia precisamos ser claros, objetivos e persuasivos em nossa comunicação. Na argumentação temos, basicamente, a colocação de duas teses: a tese principal, que é a nossa ideia principal, que pode ser o marketing de um produto, ou a exposição de uma opinião; e a tese de adesão, que é a evidência que deve ser colocada antes da tese principal, cujo objetivo é corroborar, validar e confirmar aquilo que, como ideia principal, queremos transmitir.

Imagine você numa conversa com um colega de trabalho que estaria criticando a nova lei de trânsito de 2008, a chamada lei seca, sendo você a favor. Ao invés de você dizer, simplesmente, que é a favor da nova lei de trânsito, muito melhor que isso seria dizer que Continue lendo “Como Argumentar com Eficácia?”

Como Acender a sua Criatividade?

Como Acender a sua Criatividade?

Criatividade é uma das 10 competências essenciais da liderança, porém, é requerida também em Marketing, e em todas as áreas da Organização, afinal, quem está em condições de ignorar ou desprezar o potencial da criatividade? Afinal de contas, a criatividade é uma capacidade tão importante que é utilizada em inúmeras situações da vida profissional, e não profissional também. Podemos definir criatividade como sendo a capacidade de ter ideias significativas e que possam ser colocadas em prática, é a capacidade de criar novas soluções, é a capacidade de produzir algo novo e interessante.

Como qualquer competência, ela pode ser desenvolvida através de Continue lendo “Como Acender a sua Criatividade?”

Desestresse: Um Exercício Mental Simples para Ajudar a Terminar Bem o seu Dia

Desestresse: Um Exercício Mental Simples para Ajudar a Terminar Bem o seu Dia

O estresse do dia-a-dia pode, facilmente, drenar as nossas energias e até nos levar a um quadro clínico de depressão. Você já deve ter tido contato com as mais variadas estratégias de controle do estresse como a meditação, relaxamento com respiração abdominal, e outras do gênero. Vou mencionar, a seguir, uma outra ferramenta que tem o objetivo de enfatizar os pontos positivos de seu dia, de um modo simples e sistemático. O que importa é que você Continue lendo “Desestresse: Um Exercício Mental Simples para Ajudar a Terminar Bem o seu Dia”

Gestão de Mudanças

Gestão de Mudanças

Em outro momento, escrevi sobre como estabelecer uma Cultura que apoia mudanças, e que, basicamente, consiste de um adequado time de líderes da Organização, e um robusto programa de treinamento, ambos (liderança e treinamento) trabalhando para implementar a mudança que se deseja. Mas, o processo de gestão de mudança, como um todo, pode ser entendido em 7 passos. Veja-os a seguir: Continue lendo “Gestão de Mudanças”

Receita, Lucro, Margem de Lucro, e Markup: Entendendo os Conceitos

Receita, Lucro, Margem de Lucro, e Markup: Entendendo os Conceitos

Não é raro encontrar colaboradores nas Organizações (pelo menos aqueles que não são dedicados à área de Marketing ou Financeira) desconhecerem ou confundirem os conceitos relativos a lucro (bruto, operacional e líquido) e margem de lucro. No entanto, esses conceitos são importantes e podem aparecer em várias situações numa Organização, não apenas nos redutos financeiro e de marketing. Ademais, esses conceitos não são complexos, e podem ser compreendidos com certa facilidade. Para um melhor entendimento, vamos discorrer sobre receita, lucro, e margem de lucro, conforme o sistema de custeio de absorção (exigido legalmente no Brasil).

Receita

Receita bruta: é o valor Continue lendo “Receita, Lucro, Margem de Lucro, e Markup: Entendendo os Conceitos”

Quando Menos É Mais no Marketing!

Quando Menos É Mais no Marketing!

Oferecer várias opções ao consumidor pode não ser uma boa estratégia. Você alguma vez ficou na dúvida de qual shampoo escolher. Veja as opções que uma renomada marca oferece nas prateleiras do supermercado: restauração, hidro-cauterização, controle de queda, hidratação, liso extremo, cachos definidos, força e reconstrução, cachos hidra-vitaminados, brilho extremo, reparação rejuvenescedora, liso e sedoso. Fácil de escolher? Não, necessariamente! Decisão angustiante? Provavelmente!

Barry Schwartz aborda em detalhes a questão das Continue lendo “Quando Menos É Mais no Marketing!”

Perguntas-chave para Fazer Antes de Encerrar o Planejamento Estratégico

Perguntas-chave para Fazer Antes de Encerrar o Planejamento Estratégico

Muitas vezes, todo um esforço  aplicado em reuniões e discussões produtivas para criação do planejamento estratégico de uma Organização podem não surtir o efeito desejado, pelo simples fato de não considerar 3 questões fundamentais: razoabilidade, objetividade e comunicação. Para garantir que estes pontos estejam atendidos, devemos fazer 3 perguntas antes de considerarmos o ciclo do planejamento estratégico encerrado. Veja, a seguir, quais são elas: Continue lendo “Perguntas-chave para Fazer Antes de Encerrar o Planejamento Estratégico”

Gestão de Projetos – Uma Abordagem Simplificada, Mas Eficiente!

Gestão de Projetos - Uma Abordagem Simplificada, Mas Eficiente!

Tenho percebido, nos últimos anos, muitos profissionais fugirem da gestão de projetos, como o diabo foge da cruz. Se de um lado existem cada vez mais profissionais certificados (PMBOK ou PRINCE 2); de outro, muitos dos profissionais não certificados sentem-se incapacitados. É preciso esclarecer: um profissional certificado tem um preparo respeitável sobre gestão de projetos, porém, aquele que não é certificado, não necessariamente é incapaz de realizar  e gerir bons projetos. Pois, para a grande maioria dos projetos em uma Organização, basta que se use o Continue lendo “Gestão de Projetos – Uma Abordagem Simplificada, Mas Eficiente!”

O Princípio dos 3 “GEN” para a Solução de Problemas

O Princípio dos 3 "GEN" para a Solução de Problemas

A Toyota é famosa pelo seu sistema de produção, conhecido mundialmente por Lean Manufacturing, e, dentre as suas várias facetas, o princípio (ou filosofia, como a própria Toyota se refere) dos 3 “GEN” é um aspecto bastante interessante, e que merece ser incorporado ao dia-a-dia das Organizações.

Os 3 “GEN” são: Continue lendo “O Princípio dos 3 “GEN” para a Solução de Problemas”

Sua Postura Diz Mais do Que Você Imagina!

Sua Postura Diz Mais do Que Você Imagina!

A sua postura corporal fala mais sobre você do que você imagina. Isto porque, a sua postura corporal não apenas influencia os outros, mas, você mesmo. A postura é algo tão importante, mas tantas vezes negligenciada.

A Sua Postura Influencia os Outros

Imagine a seguinte cena: o gerente está no chão de fábrica, anda de cabeça baixa, ao parar para conversar com alguém, encosta o corpo em uma coluna, em outro movimento coça a cabeça e, em seguida, escorrega a mão desde a testa até a sua nuca. Muito bem, agora imagine o seguinte: o gerente está no chão de fábrica e caminha de cabeça erguida (sem arrogância, mas de forma natural), olha para os lados, ao parar para conversar com alguém, coloca as duas mãos na cintura, olhando no rosto da pessoa. O que lhe pareceram estas cenas? É flagrante que o primeiro gerente Continue lendo “Sua Postura Diz Mais do Que Você Imagina!”

A Estratégia da “Cauda Longa”

A Estratégia da "Cauda Longa"

Chris Anderson nasceu em Londres, mas, ainda criança, foi morar nos Estados Unidos, onde graduou-se em Física. Iniciou sua carreira como editor das revistas científicas Nature e Science. Em 1994, começou a trabalhar como editor da revista The Economist, onde ficou até 2001, quando, então, iniciou trabalho na revista Wired, onde permaneceu até 2012. No período em que foi editor da Wired, escreveu seu famoso artigo The Long Tail (A Cauda Longa), que deu origem ao seu best-seller A Cauda Longa: Do Mercado de Massa para o Mercado de Nicho (The Long Tail: Why the Future of Business Is Selling Less of More, título original em inglês), publicado em 2006.

Em síntese, o pensamento do autor desvenda uma nova estratégia de varejo, em que Continue lendo “A Estratégia da “Cauda Longa””

O Conselho de Administração

O Conselho de Administração (Board of Directors – em inglês) é um órgão colegiado cuja função é, basicamente, definir orientação geral dos negócios da Organização, e fiscalizar a gestão dos diretores, garantindo, inclusive, o cumprimento das práticas de governança corporativa. Os membros do conselho de administração devem ter, além de competência e experiência, isenção, e ausência de qualquer conflitos de interesse. Segundo a lei nº6.404/1976, no seu artigo 42, o conselho de administração tem as seguintes atribuições: Continue lendo “O Conselho de Administração”

O Paradoxo de Jevons

O Paradoxo de Jevons

O paradoxo de Jevons foi descrito pelo economista inglês William Stanley Jevons, em seu livro The Coal Question (A Questão do Carvão – em tradução livre) publicado em 1865. Na sua análise, o autor observou que os avanços na eficiência das máquinas à vapor, proporcionaram um consumo menor de carvão para produzir a mesma quantidade de energia, porém, levaram a um consumo total de carvão maior, devido a uma maior demanda. Dessa forma, o paradoxo de Jevons ocorre sempre que Continue lendo “O Paradoxo de Jevons”

O Dilema da Inovação

O Dilema da Inovação

Mesmo empresas que tem boas administrações, mas que buscam a inovação de seus produtos sempre dentro dos mesmos padrões, podem fracassar justamente por não inovarem fora dos padrões. Se a indústria tivesse se focado apenas no desenvolvimento da tecnologia do VHS, jamais teria chegado ao DVD. Esse é o conceito principal do livro do professor de Harvard, Clayton Christensen, O Dilema da Inovação: Quando as novas tecnologias levam empresas ao fracasso, publicado em 1997. Segundo o professor Christensen, não investir em tecnologia disruptiva (aquela que quebra o paradigma atual) pode ser Continue lendo “O Dilema da Inovação”

Gestão de Projetos: Comparativo entre PMBOK e PRINCE 2

Gestão de Projetos: Comparativo entre PMBOK e PRINCE 2

Cada vez mais a gestão de projetos tem se tornado uma importante ferramenta de desenvolvimento e, realizada adequadamente, pode gerar economia e ajudar a Organização a alcançar seus objetivos. Dois dos mais relevantes métodos de gestão de projetos são o PMBOK, e o PRINCE 2. Vejamos as principais características e diferenças entre um e outro. Continue lendo “Gestão de Projetos: Comparativo entre PMBOK e PRINCE 2”

Por Que Algumas Empresas Que Gastam Milhões em Marketing Não Conseguem, Ainda, Fazer o Básico?

Por Que Algumas Empresas Que Gastam Milhões em Marketing Não Conseguem, Ainda, Fazer o Básico?

Não é difícil para algumas empresas que têm verbas milionárias de Marketing fazer alarde na publicidade, porém, parece ainda difícil para estas mesmas empresas fazer o básico: transmitir confiança ao cliente! Veja os casos que vou narrar, a seguir, para ilustrar o raciocínio, e veja, depois, a importância que confiança ocupa entre as expectativas do cliente, e como ela impacta na sua satisfação. Continue lendo “Por Que Algumas Empresas Que Gastam Milhões em Marketing Não Conseguem, Ainda, Fazer o Básico?”

Plano de Sucessão: O Que Fazer? E o Que Não Fazer?

Plano de Sucessão: O Que Fazer? E o Que Não Fazer?

O Plano de Sucessão é um instrumento estratégico que permite identificar e preparar profissionais de dentro da própria Organização para, possivelmente, ocupar cargos-chave em caso de necessidade. Antes de falar do que fazer, vamos ver o que não fazer em se tratando de Plano de Sucessão. Continue lendo “Plano de Sucessão: O Que Fazer? E o Que Não Fazer?”

Comparativo Histórico dos Programas de Qualidade

Comparativo Histórico dos Programas de Qualidade

Controle da Qualidade Total, Lean Manufacturing, Zero Defeito, Gestão da Qualidade Total, Manutenção Produtiva Total, Teoria das Restrições, Six Sigma, são, provavelmente, os mais conhecidos Programas de Qualidade, mas, para os menos envolvidos, pode haver alguma confusão entre eles. Pensando nisso, fiz um comparativo histórico com as características principais de cada um.

TQC – Controle da Qualidade Total

O TQC (Total Quality Control) tem uma das origens mais remotas, desde o desenvolvimento, em 1924, das técnicas de Continue lendo “Comparativo Histórico dos Programas de Qualidade”

A Competência Básica para o Sucesso em Vendas

A Competência Básica para o Sucesso em Vendas

Embora muitas Organizações são preocupadas com vários aspectos e características de sua força de vendas, a mais importante delas, muitas vezes é negligenciada. A credibilidade é a mais importante das competências de um vendedor, e isso é comprovado em várias pesquisas e estudos especializados. Há uma frase bastante interessante da escritora americana Rebecca Solnit, que exprime bem a importância da credibilidade na vida das pessoas, diz ela: Continue lendo “A Competência Básica para o Sucesso em Vendas”

Como Construir Novos Hábitos?

Como Construir Novos Hábitos?

Segundo o dicionário Michaelis, hábito é disposição de agir constantemente de certo modo, adquirida pela frequente repetição de um ato. Então, estabelecer determinadas ações como hábito, apresenta uma série de vantagens, entre elas, uma maior eficiência na ação (pela repetição e constância), e os próprios benefícios decorrentes da repetição de ações que consideramos boas.

Formar Hábitos Leva um Certo Tempo

Existe o número cabalístico de 21 dias, largamente propagado por diversos autores da Neurolinguística e afins, entre eles Sir John Hargrave, em seu livro Mind Hacking: How to Change Your Mind for Good in 21 Days. Apesar de muito mencionado, não se sabe ao certo sua origem. Muito provavelmente, tenha sido incorporado por meio do livro Psycho-Cybernetics: A New Way to Get More Living Out of Life, do cirurgião plástico e pesquisador americano Maxwell Maltz, que observou o número 21 em seu trabalho. Continue lendo “Como Construir Novos Hábitos?”

A Boa Gestão, Naturalmente, Desagrada Alguns!

A Boa Gestão, Naturalmente, Desagrada Alguns!

Isso mesmo! O bom gestor não é aquele que age para agradar, mas sim, aquele que faz o que é certo. Às vezes suas decisões poderão agradar, às vezes não. Quando um gestor estabelece disciplina, requer o cumprimento dos procedimentos, exige profissionalismo, pede competência, demanda comprometimento, cobra resultados, isso tudo, certamente, desagradará alguns.  Desagradará os mais negligentes, os mais incompetentes, os mais incapazes, os mais ineficientes, e os menos comprometidos.

Veja esse exemplo que ocorreu comigo. Continue lendo “A Boa Gestão, Naturalmente, Desagrada Alguns!”

7 Dicas para Aumentar a Eficácia do Treinamento Corporativo

7 Dicas para Aumentar a Eficácia do Treinamento Corporativo

O treinamento, além de sua função original de desenvolver as competências dos colaboradores, funciona como excelente ferramenta de motivação, e é um dos pilares da formação da Cultura Organizacional. Por isso, devemos dar-lhe a devida atenção, procurando fazê-lo da melhor forma possível. Inclusive, porque o ensino de adultos (andragogia) não é igual ao ensino de crianças (pedagogia), existindo diferenças básicas, como as que eu descrevo a seguir:

  • Relação professor/aluno: enquanto que na pedagogia o ensino é centrado no professor, na andragogia ele é centrado no aluno.
  • Razões da aprendizagem: enquanto que a pedagogia segue um determinado currículo padronizado, os adultos aprendem o que realmente precisam saber, com uma abordagem prática na solução de determinados problemas.
  • Orientação da aprendizagem: as crianças aprendem por matérias, já os adultos aprendem por competências.

Essas diferenças exigem abordagens diferenciadas para o ensino do profissional, por isso mesmo, as dicas que veremos ganham importância ainda maior. Vejamos, a seguir, algumas dicas para aumentar o aproveitamento e a eficiência dos treinamentos corporativos. Continue lendo “7 Dicas para Aumentar a Eficácia do Treinamento Corporativo”

Como Espantar um Cliente?

Como Espantar um Cliente

Como espantar um cliente? Simples. Erre, e desperdice todas as oportunidades de corrigir o erro e surpreender o cliente. Sim, errar é humano, e isso pode acontecer. E aí, obviamente, isso pode  prejudicar o seu cliente, gerando descontentamento. Porém, o mais das vezes, não será o erro em si que determinará a frustração do cliente, mas, sim, a postura da Organização (e das pessoas que a representam) perante este erro. Muitas vezes, a forma com que a Organização corrige o erro, poderá até fidelizar ainda mais o cliente, se ela Continue lendo “Como Espantar um Cliente?”

3 Boas Perguntas para Descobrir o Comportamento Ético de um Candidato!

3 Boas Perguntas para Descobrir o Comportamento Ético de um Candidato!

Preocupação Ética

Sabemos que a ética é uma grande preocupação no ambiente de trabalho. Discorri sobre o tema, mostrando algumas pesquisas do IBE-Institute of Business Ethics (Instituto de Ética Empresarial) que, basicamente, mostram que a preocupação ética é cada vez mais importante nas Organizações, e toma maiores proporções ao longo do tempo. Portanto, a preocupação em contratar pessoas alinhadas com princípios morais e com a ética deve ser, sem dúvida alguma, um ponto-chave em qualquer Organização que se preze.

Faça Perguntas

Então, algumas perguntas são ótimas para fazer ao candidato que pleiteia um novo cargo na sua Organização, especialmente, se Continue lendo “3 Boas Perguntas para Descobrir o Comportamento Ético de um Candidato!”

Política de Uso de Smartphone nas Organizações

Política de Uso de Smartphone nas Organizações

O uso dos smartphones popularizou-se de forma espantosa, segundo a 29ª edição da Pesquisa Anual do Uso de TI, da Fundação Getúlio Vargas, e coordenada pelo Prof. Fernando S. Meirelles, o número de smartphones em uso no Brasil chegou aos 220 milhões, em maio de 2018. Além das facilidades de comunicação óbvias, isso também trás uma situação de alerta para as Organizações, devido a possíveis usos indiscriminados por parte de alguns, como, por exemplo, desvio de atenção durante reuniões, ou distrações durante o horário de trabalho provocado por navegação improdutiva, além, é claro, dos problemas de segurança de informação, advindos da incrível facilidade em filmar e fotografar.

Interessado e curioso sobre o assunto, busquei algumas pesquisas sobre políticas de uso do smartphone nas Organizações. Como não as encontrei, resolvi fazer, eu mesmo, uma pesquisa através do GestaoIndustrial.com. As respostas foram obtidas no período de 18/04/2018 a 01/06/2018, totalizando 164 respondentes. Veja, a seguir, os resultados. Continue lendo “Política de Uso de Smartphone nas Organizações”

A Importância da Ética nas Organizações

A Importância da Ética nas Organizações

Albert Camus, filósofo e escritor francês, disse que um homem sem ética é como um animal selvagem solto no mundo. Nas Organizações, é crescente a preocupação com a postura ética de seus colaboradores, e deve ser mesmo, porque os estragos decorrentes da falta de ética nos negócios pode, simplesmente, destruir a reputação de uma empresa, e, até mesmo, fechar as suas portas.

Casos Emblemáticos

A Enrom Corporation foi uma das maiores empresas americanas do ramo de energia, faturando em torno de 100 bilhões de dólares por ano, mas que decretou falência em 2001, logo após o escândalo de fraude contábil e fiscal que praticavam vir à tona. Com isso, levou junto para o buraco a empresa Continue lendo “A Importância da Ética nas Organizações”

Disciplina é Liberdade!

Disciplina é Liberdade!

Renato Russo, vocalista da banda Legião Urbana, escreveu, na última estrofe da letra da música “Há Tempos”, os seguintes versos: Disciplina é liberdade, Compaixão é fortaleza, Ter bondade é ter coragem. Confesso que não sei o sentido exato que ele quis dar a isso, porque nunca o ouvi falar sobre essa letra, mas eu interpreto, de forma muito clara, que há uma associação positiva da palavra “disciplina” com a palavra “liberdade”. E por que “disciplina” se relaciona com “liberdade”? Porque, na minha visão, a disciplina, entre outras coisas, facilita a gestão do tempo, e favorece a organização, competências que levam a pessoa a ser mais dona de si, e, portanto, ter mais liberdade.

Onde Há Sabedoria, Há Disciplina, Onde Há Disciplina, Há Resultado.

Eu estava tomando um copo d’água na academia onde eu treino, entre um exercício e outro, quando, na sala ao lado Continue lendo “Disciplina é Liberdade!”

As Gerações ao Longo do Tempo

As Gerações ao Longo do Tempo
“Cada geração se imagina mais inteligente do que aquela que a precedeu, e mais sábia do que aquela que a sucederá.”

Citação de George Orwell – escritor britânico, mais conhecido pelo seu livro 1984.

Definindo Períodos

Quando falamos em definir o período das gerações, não há um consenso absoluto. Por exemplo, o dicionário Merrriam-Webster define a geração Y de modo um tanto vago, como sendo aquela dos nascidos entre os anos 80 e 90. Já o instituto de pesquisas Gallup  define a geração Y como aquela Continue lendo “As Gerações ao Longo do Tempo”

O Efeito Pigmalião e o Trabalho

O Efeito Pigmalião e o Trabalho

Pigmalião é um personagem de um dos livros da obra de mitologia Metamorfoses, do poeta da Roma antiga, Ovídio. Pigmalião era um rei de Chipre e escultor, e, desapontado com as mulheres, havia decidido ser celibatário. Porém, após ter esculpido uma estátua de uma mulher que considerava ideal, acabou por apaixonar-se por ela, desejando que ela tivesse vida.  A deusa Afrodite, então, atendeu ao seu pedido. Na figura anterior, pode-se ver a obra do artista francês, Étienne Maurice Falconet, retratando Pigmalião e a estátua.

O efeito Pigmalião é o fenômeno em que, uma maior expectativa em relação ao desempenho de alguém, leva-o, efetivamente, a um melhor desempenho.

O efeito Pigmalião é resultado de um Continue lendo “O Efeito Pigmalião e o Trabalho”

15 Perguntas para Fazer na sua Entrevista de Emprego

15 Perguntas para Fazer na sua Entrevista de Emprego

O momento da entrevista é, sem dúvida alguma, um momento crucial, onde você tem que demonstrar as suas competências, passar confiança a quem lhe entrevista, mas, ao mesmo tempo, buscar compreender as características e particularidades da nova oportunidade. Para facilitar esse momento, relaciono, a seguir, 15 perguntas que podem lhe ajudar a entender alguns desses aspectos mais importantes. Continue lendo “15 Perguntas para Fazer na sua Entrevista de Emprego”

O Princípio de Peter e Como Evitar as Promoções Fracassadas

O Princípio de Peter e Como Evitar as Promoções Fracassadas

O Princípio de Peter (Peter Principle) é um conceito que diz que, num sistema hierárquico, todo empregado tende a ser promovido até que atinja o seu nível de incompetência, e foi criado pelo educador canadense Laurence J. Peter, um dos autores da publicação intitulada The Peter Principle: Why Things Always Go Wrong (O Princípio de Peter: Porque É que As Coisas Andam Sempre Mal), publicado em 1969, em coautoria com Raymond Hull.

Segundo esse princípio, nas Organizações em geral, as promoções são baseadas no Continue lendo “O Princípio de Peter e Como Evitar as Promoções Fracassadas”

Corte o Mal pela Raiz!

Corte o Mal pela Raiz!

“Poxa! Por que eu não fiz isso na hora certa?”

Esse pensamento, provavelmente, já deve ter lhe ocorrido algum dia, por ter deixado de tomar alguma ação que deveria ter tomado! Bem, a parte boa é que esse tipo de situação sempre nos ensina lições inestimáveis. Normalmente, se você pensa que deve tomar alguma ação, é porque, provavelmente, deve fazê-lo. Em gestão, podemos enfrentar esse tipo de situação todos os dias. Então, preste atenção na sua intuição, e não perca o tempo certo para fazer a coisa certa!

Uma história útil

Veja o seguinte caso que aconteceu em uma determinada empresa: vou contar a história de um gerente que foi contratado para reestruturar uma área importante da empresa. Seu chefe disse a ele que Continue lendo “Corte o Mal pela Raiz!”

O Que Realmente Impulsiona os Resultados da Organização?

O Que Realmente Impulsiona os Resultados da Organização?

Esqueça os altos salários e bônus astronômicos, esqueça os estrelismos, esqueça qualquer poder mágico especial, o segredo para a excelência Organizacional pode estar bem na sua frente.

Tem tudo a ver com gestores e líderes!

Sim, embora as novas tecnologias, os programas de treinamento, e o redesenho de processos contribuam para melhorar os resultados e aumentar a produtividade, nada é mais decisivo e poderoso para impulsionar os resultados da Organização do que Continue lendo “O Que Realmente Impulsiona os Resultados da Organização?”

Como Fazer um Planejamento Estratégico Que Funciona?

Como Fazer um Planejamento Estratégico Que Funciona?
Para Que Serve um Plano Estratégico?

Um plano estratégico corporativo é uma das ferramentas mais poderosas para ajudar no crescimento da empresa. É uma ação tipicamente gerencial, amparada por metodologias específicas, focada em definir os macro-objetivos da Organização dentro de um horizonte de longo prazo, enquanto, ao mesmo tempo, estabelece ações e metas de curto e médio prazo, justamente para poder viabilizar os objetivos de longo prazo. Porém, é importante compreender os erros mais comuns cometidos (para evitá-los) quando se faz um plano estratégico. Veja-os, a seguir: Continue lendo “Como Fazer um Planejamento Estratégico Que Funciona?”

O Efeito Hawthorne e a Produtividade nas Organizações

O Efeito Hawthorne e a Produtividade nas Organizações

Em 1924, o Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos (National Research Council) iniciou, na fábrica de Hawthorne, da Western Electric Company, em Chicago, uma série de experimentos para verificar o quanto a iluminação afetava a produtividade. Verificou-se que a cada alteração na iluminação, houve melhora na produtividade, porém, ao se retornar às condições de iluminação iniciais, a produtividade continuou alta, indicando que a atenção dada ao ambiente de trabalho era o fator preponderante, e não a luminosidade em si. Ao longo dos anos, os estudos e experimentos Continue lendo “O Efeito Hawthorne e a Produtividade nas Organizações”

O Que Fazer com Pessoas Tóxicas no Ambiente de Trabalho?

O Que Fazer com Pessoas Tóxicas no Ambiente de Trabalho?

Grosseria, estupidez, incivilidade, assédio, bullying ou toxicidade, não importa a palavra que você queira usar, o tema é uma preocupação importante para qualquer bom gestor em um ambiente de trabalho. Uma pessoa tóxica é aquela que deliberadamente, e repetidamente, ofende, humilha, ridiculariza, perturba, desrespeita, ou incomoda outras pessoas no local de trabalho. É uma questão grave que não pode ser negligenciada, e deve ser encarada com seriedade porque apenas uma pessoa tóxica tem um tremendo poder de destruição em um local de trabalho.

Seis Características de Pessoas Tóxicas

Continue lendo “O Que Fazer com Pessoas Tóxicas no Ambiente de Trabalho?”

A Lei de Parkinson e as Horas Extras

A Lei de Parkinson e as Horas Extras
“O trabalho se estende para ocupar o tempo disponível para sua execução.”

A citação acima representa a Lei de Parkinson, concebida por Cyril Northcote Parkinson, um autor e historiador inglês que, em 1955, publicou um artigo na revista The Economist, onde, pela primeira vez, introduziu o esse conceito. Depois, em 1958, publicou o seu livro: Parkinson’s Law – or The Pursuit of Progress. Parkinson desenvolveu o seu conceito, observando, inicialmente, o trabalho e a produtividade no serviço público britânico. Depois, percebeu que esse conceito se aplicaria também a outras áreas, observando que tarefas simples aumentam de complexidade de acordo com o aumento do tempo dado a elas. Da mesma forma, quando o tempo de execução da tarefa encurta, o trabalho tende a ser feito de forma mais objetiva. Pela Lei de Parkinson, quando o Continue lendo “A Lei de Parkinson e as Horas Extras”

Os Pressupostos do Negócio de Sucesso!

Os Pressupostos do Negócio de Sucesso!

Todo gestor deve ter em mente que um negócio, seja lá ele qual for, é regido por três premissas básicas dos negócios bem sucedidos:

Satisfação das partes interessadas – É preciso que o negócio satisfaça às partes interessadas: colaboradores, clientes, e parceiros (fornecedores, sociedade, etc.).

Lucratividade– O negócio deve ter saúde financeira, ou seja, tem que gerar lucro, pois é dessa forma que ele Continue lendo “Os Pressupostos do Negócio de Sucesso!”

Como Construir um Time Vencedor?

Como Construir um Time Vencedor?

Esta é provavelmente uma das maiores indagações no mundo corporativo, dentro da área de liderança. Eu conheci dezenas de bons líderes, mas também, tantos outros ruins. Alguns não eram apenas líderes ruins, eram péssimos, e muitos deles, provavelmente, se achavam bons (Efeito Dunning-Kruger). Se você quer saber quão bom um líder é, basta ver o seu time.

Eu acredito que há alguns princípios a seguir quando você quer criar uma equipe vencedora. Você precisa cultivar alguns comportamentos-chave  dentro da equipe, e que podem levá-lo a excelentes resultados com seu time. Eu chamo esses 10 comportamentos-chave como sendo o “Círculo Virtuoso do Time Vencedor”.  Vamos vê-los, a seguir, em detalhes. Continue lendo “Como Construir um Time Vencedor?”

O Efeito Dunning-Kruger e a Síndrome do Impostor

O Efeito Dunning-Kruger e a Síndrome do Impostor

“O tolo pensa que é sábio, mas o sábio se reconhece um tolo”. Essa é uma frase do personagem Touchstone, da peça “As You Like It”, do dramaturgo Willian Shakespeare, e representa muito bem dois conceitos da psicologia, e que podemos encontrar, é claro, no mundo corporativo: o efeito Dunning-Kruger, e a Síndrome do Impostor.

O Efeito Dunning-Kruger

O efeito Dunning-Kruger é um conceito advindo de um Continue lendo “O Efeito Dunning-Kruger e a Síndrome do Impostor”

Por que a Maioria dos Programas de Qualidade Fracassam?

Por que a Maioria dos Programas de Qualidade Fracassam?

A novidade vem primeiro do CEO para os Gerentes, e depois, destes, para suas equipes:

Precisamos indicar algumas pessoas da nossa área para iniciar um novo treinamento para a implantação de um novo Programa de Qualidade.

As pessoas se entreolham e, tentando entender exatamente do que se trata, começam a pensar a respeito. As pessoas são escolhidas, os treinamentos realizados e, agora, a pior parte! O gerente fala com a equipe:

Pessoal! Nosso CEO quer mostrar ao conselho alguma redução de custos obtida com o novo Programa de Qualidade.

Quem pode acreditar que isso realmente vai dar certo? Sim, é só mais uma história de Continue lendo “Por que a Maioria dos Programas de Qualidade Fracassam?”

5 Hábitos para Aumentar a Produtividade no Trabalho!

5 Hábitos para Aumentar a Produtividade no Trabalho!

Um dos maiores desafios do profissional de hoje é ser produtivo, ou seja, usar bem o seu tempo, ser efetivo nas suas ações, e conseguir os melhores resultados, com o menor gasto de energia. Numa pesquisa que o GestaoIndustrial.com fez em 2015, sobre o desperdício de tempo no trabalho, foi apontado pelos respondentes que 61,5% desse desperdício está vinculado a reuniões improdutivas e ao excesso de emails.

A palavra-chave quando falamos em produtividade é Continue lendo “5 Hábitos para Aumentar a Produtividade no Trabalho!”

Os 4 Maiores Erros de um CEO!

Os 4 Maiores Erros de um CEO!

Trabalhei mais de 17 anos em ambiente industrial, 13 somente como gerente. Esta experiência me deu uma visão muito boa, principalmente considerando uma perspectiva de gestão. Eu pude perceber abordagens que funcionam, e comportamentos ruins, pude reconhecer os bons hábitos, e as práticas ruins. A seguir, descrevo aquilo que considero o 4 maiores erros que um CEO industrial deve evitar, ao lidar com a sua equipe de gerenciamento. Continue lendo “Os 4 Maiores Erros de um CEO!”

Como Liderar Reuniões Eficazmente?

Certamente, ocupando um cargo de gestão, você terá que enfrentar a tarefa de liderar reuniões, mas, mesmo que não esteja exercendo um cargo de gestão, ainda assim, muito provavelmente e em algum momento, terá que liderar algum tipo de reunião.

As reuniões são importantes momentos de decisão, informação, planejamento, avaliação, monitoramento, ou ainda, brainstorming, no entanto, se mal conduzidas podem se tornar, além de verdadeiros fracassos, grandes desperdiçadoras de tempo. Eu penso que, por baixo, na minha carreira em gestão na indústria eu já liderei mais de mil reuniões, e posso dizer que existem alguns pontos fundamentais a cuidar para que você possa liderar bem uma reunião e chegar ao seu objetivo. Veja, a seguir, esses pontos:

  1. Comece no horário! Lembre-se de que, por padrão, sua reunião deve começar exatamente no horário. Acostume-se a isso, e seus colegas saberão que você é pontual e isso evita o círculo vicioso da demora: “alguém atrasa porque sabe que os outros atrasam, e aí, a maioria atrasa”. Em condições em que o atraso de alguém está impedindo o início da reunião, explique a todos o fato, tente entrar em contato com a pessoa e estabeleça uma limite de tempo; se você perceber que o atraso será muito superior a 10 minutos, peça desculpas a todos e prefira reprogramar outro horário. Em reuniões onde a presença de alguém era fundamental (um diretor, por ex.), eu costumava lembrar o profissional sobre a reunião e confirmar que tudo estava certo para sua presença. E se realmente houvesse algum atraso, eu costumava falar com a pessoa e pedir uma colaboração especial para manter as reuniões sempre no horário.
  2. Lembre todos sobre o propósito da reunião! No início da reunião (e quando necessário), recorde a todos o propósito da reunião, ou seja, a agenda, os objetivos, e o tempo para a conclusão; e qualquer outra informação relevante e apropriada para demonstrar a importância de obter a participação e colaboração de todos os participantes.
  3. Acompanhe o tempo, a agenda e os objetivos! Você já lembrou todos sobre a agenda, os objetivos, e o tempo, portanto, a partir do início da reunião o tempo está correndo, e você é o maestro que dará o ritmo adequado à reunião. Uma das coisas mais fáceis em uma reunião é se perder no tempo. Isso ocorre por várias razões, entre elas: porque há pessoas que falam muito, ou porque sempre há pessoas que começam a se desviar do assunto, e também porque algumas pessoas querem entrar em um nível de profundidade inútil. Incentive quem é quieto a falar, e procure educadamente, mas com firmeza, encurtar o discurso dos prolixos lembrando o fato de que precisamos ser objetivos e ouvir todos, respeitando o tempo estabelecido para a reunião. Em situações onde, realmente, não haverá tempo (isso deve ser exceção) para terminar a discussão, ou porque houve questões novas e pertinentes, ou porque você avaliou mal o tempo, existem duas alternativas: a primeira é propor uma extensão de tempo (caso não seja superior a 50% do tempo inicialmente programado), e a segundo é terminar no horário programado e deixar combinado com os participantes o novo encontro. Isso serve para educar e disciplinar os participantes, para que, em novos encontros, todos cooperem mais. Lembre-se de que, nas reuniões em que você está liderando, o que será discutido ou não é sua prerrogativa. Você é quem decide a pauta! Não permita que outros usem sua reunião para discutir o novo layout do escritório, as novas regras para o campeonato de futebol ou a qualidade da refeição servida na empresa, ou qualquer outro assunto fora do escopo dado por você. Se apropriado, organize outra reunião para discutir o novo assunto (caso o assunto seja de sua responsabilidade, é claro).
  4. Mantenha a disciplina! Disciplina é um fator chave para o sucesso de uma reunião, por isso mantenha o respeito, a disciplina e evite interrupções externas, como chamadas telefônicas ou mensagens. Permita a todos expressarem suas opiniões. Não permita a monopolização de ninguém, e nem uma atitude não profissional de quem quer que seja.
  5. Obtenha uma decisão dos participantes! Quando as decisões devem ser tomadas, geralmente há duas opções: uma decisão de consenso (ao buscar a convergência de todos para um denominador comum) ou por votação. Procurar consenso, em algumas situações, pode consumir um tempo considerável; portanto, considere o custo/benefício de um ou outro método de decisão.
  6. Estabeleça ações claras e os responsáveis! Se, durante a reunião, foram discutidas ações específicas, tenha certeza de deixar claro de quem são as responsabilidades e quais são os prazos.
  7. Prepare a ata de reunião! Se não for possível durante a reunião, em até 24 horas, prepare a ata de reunião. Se possível, pegue as assinaturas dos participantes da reunião na ata original (isso tem um efeito incrível!).
  8. Distribua a ata da reunião! Distribua a ata de reunião a todos os envolvidos e interessados no tema e nos resultados da reunião, não apenas para os participantes da reunião.
  9. Acompanhe as ações e decisões! Faça o acompanhamento, sempre que necessário, para assegurar que as ações e decisões tomadas na reunião estejam sendo devidamente cumpridas.

Fazendo isso, você provavelmente estará entregando muito mais resultados, aproveitando mais a reunião, economizando o seu tempo e o dos outros, além de ser reconhecido como um líder efetivo.


Leia também o post “Os Passos Corretos para Organizar Reuniões!


Na página de downloads gratuitos, do GestaoIndustrial.com, você pode encontrar um resumo prático dos pontos-chave para uma reunião eficaz, incluindo liderar e organizar reuniões.

Como Criar uma Cultura que Apoia as Mudanças?

Um Cenário Desafiador

A globalização foi o fenômeno de interação econômico e socio-cultural mais intenso entre países, iniciado, notavelmente, no final dos anos 80 e início dos anos 90. Como consequência disso, os padrões de qualidade aumentaram, não apenas dos produtos, mas, por extensão, dos próprios profissionais. A globalização se caracterizou pelo aumento da liberdade política (devido ao final da Guerra Fria), pela redução dos custos de transporte (devido às aberturas de mercado e modernização dos meios de transporte), e pela facilidade de comunicação (com o advento da internet comercial).

As Mudanças são Mais Rápidas

Assim, vimos, no campo industrial, uma grande mudança cultural à medida que os consumidores começaram a ter mais opções de compra, e, com isso, os fabricantes de produtos de baixa qualidade tiveram, basicamente, duas alternativas: ou melhorar a qualidade, ou fechar as portas. Como efeito da globalização, as Continue lendo “Como Criar uma Cultura que Apoia as Mudanças?”

Os Passos Corretos para Organizar Reuniões!

É largamente sabido que reuniões, sejam por excesso, ou por serem mau organizadas, são um dos maiores desperdiçadores de tempo no ambiente corporativo, e várias são as pesquisas que mostram isso. O portal Salary.com (IBM) realizou uma pesquisa, em 2014, que indicou que o maior desperdício de tempo estava associado à navegação na internet, e, em segundo lugar com 24%, apareceu o excesso de reuniões. O GestaoIndustrial.com também pesquisou, em 2015, o desperdício de tempo no trabalho e encontrou “reuniões improdutivas” como sendo o maior vilão do desperdício de tempo com 32%, seguido por excesso de emails com 29%. Portanto, toda a atenção e cuidado devem ser tomados quando for organizar uma reunião de trabalho. Veja a seguir seus pontos-chave:

Pontos-Chave para Organizar Reuniões Eficazes

Continue lendo “Os Passos Corretos para Organizar Reuniões!”

Como Fazer uma Boa Contratação?

Eu já entrevistei e contratei incontáveis profissionais ao longo de mais de 13 anos trabalhando em gestão, e acredito que acertei em mais de 95% dos casos. Ainda que eu concorde (e até recomende) que algumas perguntas-chave, adequadamente feitas, facilitam o processo de análise, tenho que reconhecer que elas não funcionam como mágica. Mais do que respostas, a maneira que o candidato se expressa, a maneira com que faz contato visual, o tom de voz que usa em cada situação, a maneira que ele se acomoda na cadeira, os gestos que faz, são informações importantes a se interpretar, pois é preciso conhecer mais do que apenas o profissional, é preciso também conhecer a pessoa. Eu sempre digo que, para ser um bom profissional, antes de tudo, tem que ser uma boa pessoa, de bom caráter.

Você tem paixão por esse trabalho, ou quer o emprego para pagar suas contas? Esqueça isso! O candidato é competente, ou não?

Eu me lembro de dois trabalhadores de linha de produção que eu contratei quando era supervisor de uma fábrica do setor automotivo, muitos anos atrás. Um deles era Continue lendo “Como Fazer uma Boa Contratação?”

A Melhor Maneira de Avaliar Pessoas no Trabalho!

Tendo trabalhado em diferentes Organizações, e tendo visitado outras tantas, eu já vi quase que todo o tipo de método de avaliação de pessoas no trabalho. Desde planilhas, até softwares sofisticados, as Organizações tentam estabelecer uma correlação entre o comportamento e resultado do colaborador, com um determinado parâmetro, uma nota.

Dar Notas a um Colaborador é Tolice!

Tentar associar o desempenho de um colaborador a uma nota é tão ineficaz quanto tapar o sol com a peneira, não surte efeito. Dar notas a um colaborador por critérios de avaliação como: comunicação, atitude, comprometimento, ou responsabilidade é, sem dúvida, ineficaz. Pior, na verdade gera um Continue lendo “A Melhor Maneira de Avaliar Pessoas no Trabalho!”

Você Sabe a Diferença entre Gerente e Líder? Mesmo?

No meu primeiro cargo de gestão, em 1997, como supervisor de produção de uma empresa global fabricante de motores, meu desafio era não apenas o startup da produção da nova fábrica no Brasil, mas também, o início da minha própria carreira em gestão. E como eu naquele tempo, você provavelmente já ouviu a seguinte frase: “Você deve ser mais que um bom gestor, você deve ser um bom líder!

Sério? Mas como ser um bom gestor, sem ser um bom líder?

Ser gestor é uma crítica e importante posição a ser exercida num cenário de negócios, e requer algumas que algumas competências bem específicas sejam desenvolvidas para que se exerça bem a função. Então, vamos entender o que exatamente significam os termos “gestão” e liderança”. Continue lendo “Você Sabe a Diferença entre Gerente e Líder? Mesmo?”