Contabilidade Financeira

 

Informando os fatos contábeis e atendendo às demandas legais!

Introdução

O objetivo da contabilidade financeira é o de registrar (qualitativamente e quantitativamente), nas devidas contas contábeis, os fatos que alteram o patrimônio (conjunto de bens, direitos e obrigações) de uma empresa, seguindo as normas contábeis aplicáveis. “Balanço” é o nome do documento onde são demonstrados os saldos das contas de um determinado período.

O método das partidas dobradas, usado universalmente, diz que o total de valores lançados a débito deve ser sempre igual ao total dos valores lançados a crédito.

Princípios Contábeis

  • Princípio da Entidade: em que o patrimônio da entidade não deve se confundir com o de seus sócios;
  • Princípio da Continuidade: em que há presunção de que a entidade continuará seus negócios no futuro, pelo que, a mensuração e apresentação dos componentes contábeis deve levar isso em conta;
  • Princípio da Oportunidade: diz respeito ao fato de que as demonstrações contábeis devem ser feitas no momento em que ocorrem e de forma integral;
  • Princípio do Registro pelo Valor Original: esse princípio diz que os registros da contabilidade devem ser efetuados pelo valor original, em moeda corrente do país. Portanto, utilizando-se o valor de aquisição do bem, ou pelo seu custo de fabricação, incluindo-se também as despesas efetuadas para sua fabricação.
  • Princípio da Competência: esse princípio determina que as receitas e despesas sejam reconhecidas no momento em que ocorram os seus respectivos fatos geradores (evento econômico), independentemente de seu recebimento ou pagamento. Em contrapartida a esse princípio, também chamado de Regime de Competência, existe o chamado Regime de Caixa, quando as receitas e despesas devem ser reconhecidas no momento em que os recursos financeiros são efetivamente recebidos (no caso das receitas) ou pagos (no caso das despesas).
  • Princípio da Prudência: é aquele que determina que, em alternativas igualmente válidas para a quantificação da variação patrimonial, deve-se adotar o menor valor para o Ativo, e o maior valor para o Passivo.

Balanço, Balancete e DRE

  • Balanço: é o demonstrativo dos saldos das contas de Ativo e Passivo de um determinado período, geralmente um ano.
  • Balancete: além dos saldos das contas de Ativo e Passivo, nele são demonstradas também as contas de receitas e despesas incorridas em um determinado período contábil.
  • Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE): nele são demonstradas todas as contas de despesas e receitas, com o objetivo de verificar a existência ou não de lucro, bem como proporcionar análise sobre os resultados.

Balanço

Na contabilidade, há o princípio básico da paridade, em que, no Balanço de uma empresa, o Ativo é igual ao Passivo, ou seja:

Ativo = Passivo

Bens + Direitos = Obrigações + Patrimônio Líquido

Ativo Circulante + Ativo Permanente = Passivo Circulante + Passivo Permanente

Disponível + Realizável a Longo Prazo + Ativo Permanente = Exigível a Curto Prazo + Exigível a Longo Prazo + Patrimônio Líquido

Veja na figura abaixo um exemplo de Balanço Com a visão Clássica e a Moderna (de Fleuriet, ou Dinâmica)

Demonstrativo de Resultados do Exercício (DRE)

Dois exemplos de DRE (demonstrativo de resultados do exercício), um pelo sistema de custeio de absorção (exigido legalmente no Brasil), e outro pelo sistema de custeio variável.

DRE por CUSTEIO DE ABSORÇÃO

RECEITA BRUTA
( -) Impostos s/ Vendas
(=) RECEITA LÍQUIDA
(-) MOD (mão de obra direta)
(-) Custo de matéria-prima
(-) Custos Indiretos de fabricação
(=) LUCRO BRUTO
( -) Despesas Operacionais
     Despesas Administrativas
     Despesas de Vendas
     Outras despesas operacionais
(=) LAJIR
(-) Despesas Financeiras
(+) Receitas Financeiras
(=) LUCRO OPERACIONAL
(+/-) Rec/Desp não operacionais
(=) LUCRO ANTES DO IR (LAIR)
( -) Imposto de Renda
(=) LUCRO LÍQUIDO

DRE por CUSTEIO VARIÁVEL

RECEITA BRUTA
( -) Impostos s/ Vendas
(=) RECEITA LÍQUIDA
( -) Custos variáveis de fabricação
(-) Despesas variáveis de fabricação
(=) MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO
(-) Custos fixos
( -) Despesas fixas
     Despesas Administrativas
     Despesas de Vendas
     Outras desp operacionais
(=) EBITDA
(-) Despesas de depreciação e amortização
(=) LAJIR (EBIT)
(-) Despesas Financeiras
(+) Receitas Financeiras
(=) LUCRO OPERACIONAL
(+/-) Rec/Desp não operacionais
(=) LUCRO ANTES DO IR (LAIR)
( -) Imposto de Renda
(=) LUCRO LÍQUIDO

Algumas Definições Relativas aos Sistemas de Custeio

Relativo ao Sistema de Custeio Variável

Custos: são gastos (desembolsos) associados à realização do produto ou serviço fornecido pela empresa.

Despesas: são gastos (desembolsos) associados à administração da empresa e seus esforços para a venda dos produtos, não sendo ligados à realização do produto ou serviço fornecido pela empresa.

Tipos de Custos:

Custos Variáveis: são aqueles custos que variam de acordo com o volume de produção, ou seja, se a produção aumenta, esse tipo de custo aumenta, se a produção cai, esse tipo de custo cai proporcionalmente. Exemplo típico: custo de matéria-prima, frete de compras de matéria-prima, mão-de-obra direta (da produção).

Custos Fixos: são aqueles custos que pouco ou nada variam de acordo com o volume de produção (ainda que o seu valor não permaneça, necessariamente, o mesmo). Exemplos típicos: aluguel, água, energia (parte da energia poderá ser lançada como custo variável), manutenção de equipamentos, depreciação.

Tipos de Despesas:

Despesas Variáveis: despesas que variam de acordo com o volume de produção ou vendas. Exemplo: despesas de marketing, comissões sobre vendas, frete sobre vendas.

Despesas Fixas: são despesas que não variam significativamente de acordo com o volume de produção ou vendas. Exemplo: limpeza, segurança, telefonia, internet, material de escritório, salário do pessoal administrativo.

Relativo ao Sistema de Custeio por Absorção

Custo Direto: são gastos (desembolsos) associados diretamente à realização do produto ou serviço fornecido pela empresa. Exemplos: mão-de-obra, matéria-prima, embalagem, frete sobre compra de matéria-prima.

Custo Indireto: são gastos (desembolsos) associados indiretamente à realização do produto ou serviço fornecido pela empresa. Exemplos: aluguel, água, energia, manutenção, depreciação.

Despesas: são gastos (desembolsos) não associados à realização do produto ou serviço fornecido pela empresa. Exemplos: limpeza, segurança, telefonia, internet, material de escritório, salário do pessoal administrativo

Principais Normas Contábeis

  • IFRS (International Financial Reporting Standard) – Publicada pelo IASB (International Accounting Standards Board), é um conjunto de normas adotada pela Comunidade Econômica Européia
  • US-GAAP (Generally Accepted Accounting Principles in the United States) – são as normais contábeis americanas, publicadas pela FASB (Financial Accounting Standards Board). Diferem ainda, substancialmente, das normas européias (IRFS).
  • BR-GAAP – é o conjunto de normas contábeis brasileiras, publicado pelo CFC (Conselho Federal de Contabilidade), e estão baseadas na norma internacional européia (IFRS)