O Experimento Marshmallow e seus Interessantes Achados

O Experimento Marshmallow foi um estudo sobre a capacidade de adiar uma recompensa, e foi conduzido pelo professor da Universidade de Stanford, Walter Mischel, tendo sido publicado em 1972. Neste estudo, era oferecida a uma criança (de 4 a 5 anos) a escolha entre ganhar um marshmallow imediatamente (que era colocado em um prato à sua frente), ou dois marshmallows depois, caso a criança esperasse o pesquisador retornar após um período de 15 minutos fora da sala, sem comer o marshmallow do prato. Os resultados, ao contrário do que se imaginava, indicaram que não ficar pensando na recompensa aumentava a capacidade de adiá-la, ou seja, não focar na recompensa prolongava a capacidade de adiar o tempo de recebê-la.

Os Impressionantes Achados Posteriores

Com o passar dos anos, o grupo de pesquisadores do professor Mischel conduziu estudos de acompanhamento do progresso de cada criança em várias áreas, e o que eles encontraram foi muito interessante. Segundo o estudo divulgado em 1988, as crianças que estavam dispostas a adiar a recompensa aos 4 anos, esperando pelo segundo marshmallow sem antes comer o primeiro, tornaram-se adolescentes cujos pais os classificaram como mais academicamente e socialmente competentes, verbalmente fluentes, racionais, atenciosos, planejadores e capazes de lidar bem com a frustração e o estresse.

Outro estudo do grupo de pesquisadores do professor Mischel, divulgado em 2012, concluiu que adiar a recompensa por mais tempo aos 4 anos de idade foi associado a um IMC (índice de massa corporal) mais baixo, três décadas depois.

Exemplos do Dia-a-Dia

Não é difícil perceber isso no dia-a-dia, por exemplo, se alguém adiar a recompensa de assistir televisão, fazendo antes a sua lição de casa, aprenderá mais e obterá melhores notas. Se você adiar a recompensa de sair antes do treino, e ficar mais tempo se exercitando, ficará melhor e mais forte. Se você adiar a recompensa de comer doces e salgadinhos, acabará comendo de forma mais saudável. Se você adiar a recompensa de ficar mais tempo dormindo, levantando com disposição, e tendo um dia produtivo, acabará tendo um sono reconfortante logo mais à noite. Enfim, são vários os exemplos de como o autocontrole e a autodisciplina fazem de nós, pessoas melhores!

Ceticismo

Em 2018, os pesquisadores Tyler Watts (Universidade de Nova York), Greg Duncan e Haonan Quan (Universidade da Califórina) revisitaram o Experimento Marshmallow. Tyler Watts e seus colegas estavam céticos quanto aos achados do professor Mischel e sua equipe. Os resultados originais foram baseados em estudos que incluíram menos de 90 crianças – todas matriculadas em uma pré-escola no campus de Stanford. Ao refazer o experimento, Watts e seus colegas ajustaram o projeto experimental usando uma amostra maior (mais de 900 crianças), e mais representativa da população em geral em termos de raça, etnia, nível educacional dos pais, e renda familiar. Em resumo, o novo estudo encontrou fundamentação limitada à ideia de que a capacidade de adiar uma recompensa leva a melhores resultados futuros. Em vez disso, sugere que a capacidade da criança de esperar pelo segundo marshmallow é baseada em grande parte pelo contexto social e econômico dela.

Eu penso que, ainda que o segundo estudo aponte uma correlação menos forte entre a capacidade da criança em adiar uma recompensa e o sucesso futuro em várias áreas, ele não o invalidou. Eu, particularmente, vejo uma correlação óbvia entre o autocontrole (sim! pois é disso que, em última instância, estamos falando) e o atingimento de resultados. O escritor inglês Edward Bulwer-Lytton (1803-1873) disse uma vez: “A paciência não é passiva; ao contrário, é ativa; é força concentrada” (Patience is not passive; on the contrary, it is active; it is concentrated strength.). Aquele que domina a si mesmo de forma mais eficaz, tem o verdadeiro e maior poder que um ser humano pode ter; e isso lhe será útil em todas… todas as áreas!


Comunicar Erro: Clique Aqui!


Autor: Rodrigo Vargas – Engenheiro Mecânico (UFPR), pós-graduado em Engenharia de Manutenção Mecânica (UFPR), pós-graduado em Gestão Empresarial (FGV), Tem mais de 30 anos de experiência profissional, sendo mais de 20 dedicados a atividades de gestão e liderança, tendo trabalhado em renomadas empresas multinacionais, com vivência profissional internacional na Europa, Ásia e América Latina. Rodrigo obteve certificação Black Belt na metodologia Seis Sigma, certificação Practitioner em Programação Neurolinguística, certificação de Auditor Líder do Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001, e formação complementar em Docência pela Fundação Getúlio Vargas. Rodrigo Vargas tem vários livros publicados nas áreas de gestão, finanças, e cognição; compartilhando conhecimento sobre gestão, há mais de 10 anos, através do portal GestaoIndustrial.com.


Copyright © 2009-2020 – Rodrigo Vargas e seus licenciantes - Material protegido - Para usos permitidos consulte os Termos de Uso. Infrações à lei e a estes Termos podem sofrer as penalidades cabíveis, na esfera civil e criminal.