Ferramentas Básicas da Qualidade: Diagrama de Ishikawa

O diagrama de Ishikawa é uma ferramenta utilizada para se relacionar potenciais causas raízes a um determinado problema; cujo objetivo é facilitar a análise desse problema e a discussão sobre suas possíveis causas, dando foco e organizando o pensamento daqueles que estejam envolvidos nesse processo.

O diagrama de Ishikawa é também chamado de diagrama espinha de peixe (devido ao seu formato lembra o esqueleto dos peixes), ou ainda, diagrama de causa e efeito. O diagrama de Ishikawa é largamente utilizado na indústria, na análise de defeitos, e foi desenvolvido pelo engenheiro japonês, especialista em Qualidade, Kaoru Ishikawa, na década de 1960.

Como Construir um Diagrama de Ishikawa

O uso do diagrama de Ishikawa é muito fácil, mas, para a sua construção, alguns passos devem ser seguidos:

  • Ainda que alguns utilizem-se de softwares, considere utilizar flipchart ou quadro-branco, e uma caneta apropriada, pois, dessa forma, consegue-se bons resultados ao se manter um caráter de “rascunho”, bom para proporcionar sessões de discussão livre;
  • Deve-se escolher um facilitador, com bom conhecimento da ferramenta, e tanto quanto possível, conhecimento do problema;
  • Concorde o problema a ser discutido, ou seja, qual é o efeito que se quer analisar, e o escreva na ponta direita do diagrama;
  • Concorde os fatores causais (tipos ou categorias de causas) que serão utilizados e os escreva nas extremidades das espinhas. Na indústria, é clássico o uso de: material, mão de obra, meio ambiente, máquina, método, e medida. Porém, se estiver analisando um problema de finanças ou marketing, por exemplo, provavelmente, precisará utilizar outros fatores causais;
  • O facilitador inicia o brainstorm (discussão livre) com cada um dos fatores causas, procurando encontrar as possíveis causas do problema, perguntando, sempre, por que isso está ocorrendo, focando nas causas, já que o efeito já foi definido.
  • O facilitador inicia o brainstorm (discussão livre) com cada um dos fatores causas, procurando encontrar as possíveis causas do problema, perguntando, sempre: “por que isso está ocorrendo”, e focando nas causas, já que o efeito já foi definido.
  • O facilitador deve ir anotando na respectiva “espinha” a causa a que pertence, alocando da melhor forma, e pode ser escrita em mais de uma “espinha”, caso ela esteja vinculada a mais de uma categoria;
  • O facilitador deve cuidar para que todas as categorias de causas sejam, adequadamente, exploradas;
  • Quando uma subcausa for identificada, escreva-a como uma ramificação da causa a qual está relacionada, e continue perguntando por quê, até chegar ao melhor entendimento da causa raiz.

Essa é uma poderosa ferramenta da qualidade, pois, embora o diagrama de Ishikawa seja uma ferramenta simples de usar, é, ao mesmo tempo, uma poderosa ferramenta de análise de causas de problemas.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Comunicar Erro: Clique Aqui!


Autor: Rodrigo Vargas – Engenheiro Mecânico (UFPR), pós-graduado em Engenharia de Manutenção Mecânica (UFPR), pós-graduado em Gestão Empresarial (FGV), Tem mais de 30 anos de experiência profissional, sendo mais de 20 dedicados a atividades de gestão e liderança, tendo trabalhado em renomadas empresas multinacionais, com vivência profissional internacional na Europa, Ásia e América Latina. Rodrigo obteve certificação Black Belt na metodologia Seis Sigma, certificação Practitioner em Programação Neurolinguística, certificação de Auditor Líder do Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001, e formação complementar em Docência pela Fundação Getúlio Vargas. Rodrigo Vargas tem vários livros publicados nas áreas de gestão, finanças, e cognição; compartilhando conhecimento sobre gestão, há mais de 10 anos, através do portal GestaoIndustrial.com.


Copyright © 2009-2021 – Rodrigo Vargas e seus licenciantes - Material protegido - Para usos permitidos consulte os Termos de Uso. Infrações à lei e a estes Termos podem sofrer as penalidades cabíveis, na esfera civil e criminal.