Nem Bonzinho, Nem Mauzinho!

Nem Bonzinho, Nem Mauzinho

Ao longo de minha carreira na Indústria, pude conhecer dois tipos patológicos de liderança: o bonzinho e o mauzinho. Nenhum deles, é claro, consegue formar um time eficiente, obter resultados consistentemente positivos, e muito menos criar um ambiente saudável no trabalho.

O Bonzinho

O tipo bonzinho é aquele que somente quer agradar ao seu pessoal, e acredita que um bom líder tem que fazer as vontades dos liderados. Esse tipo não consegue disciplinar seu grupo (o que é necessário para desenvolver o grupo), e quer tratá-lo muitas vezes como um familiar mau acostumado e cheio de vontades. Esse tipo é aquele gerente/chefia que, na verdade, não lidera, e, muitas vezes, deixa o grupo solto. Ele quer ser visto como bacana pelo seu pessoal e, para ele, isso é o mais importante.

O Mauzinho

O tipo mauzinho, ao contrário do bonzinho, acredita que tem que parecer mau para manter a liderança do grupo; mas é tão inseguro quanto o tipo bonzinho. O mauzinho, em vários casos, tem desvio de caráter, e se diverte ao utilizar o seu poder para assediar, perseguir e aborrecer seus liderados. Alguns são, na verdade, psicopatas.

Nem Bonzinho, Nem Mauzinho!

O bom líder não é nem bonzinho, nem mauzinho, mas sim, equilibrado. Ele orienta, disciplina, desenvolve, e faz o que é certo fazer. Como dizia um colega meu de trabalho: nem bonzinho, nem mauzinho, mas justo!


Comunicar Erro: Clique Aqui!


Autor: Rodrigo Vargas – Engenheiro mecânico (UFPR), pós-graduado em engenharia de man. mecânica (UFPR), pós-graduado em gestão empresarial (FGV), com mais de 17 anos de experiência em ambiente industrial, sendo mais de 13 anos ocupando cargos de gestão na indústria automotiva e eletroeletrônica; compartilhando conhecimento sobre gestão, há mais de 10 anos, através do portal GestaoIndustrial.com.


Copyright © 2009-2019 – Rodrigo Vargas e seus licenciantes - Material protegido - Para usos permitidos consulte os Termos de Uso. Infrações à lei e a estes Termos podem sofrer as penalidades cabíveis, na esfera civil e criminal.