TPM - Manutenção Produtiva Total

Evitando quebras, reduzindo paradas!

 

O que é o TPM?

TPM, do inglês, Total Productive Maintenance, é traduzido para o português como Manutenção Produtiva Total, e é um programa de Manutenção que tem o objetivo de evitar quebras e falhas, ou reduzir o tempo de paradas ocasionadas por problemas simples, através da intervenção do próprio operador do equipamento, além de preparação adequada do time de manutenção.

 

Origens

As décadas de 50 e 70, ficaram conhecidas pela avidez com que os japoneses começaram a observar as teorias de administração, melhoria e qualidade dos norte americanos. Nesse contexto, alguns japoneses, como Seiichi Nakajima, desenvolveram uma metodologia em que o operador e o técnico de manutenção executam atividades visando o máximo aproveitamento do equipamento, buscando mantê-lo em funcionamento, ou repará-lo no menor tempo possível.

 

Como Funciona?

No TPM, o operador do equipamento tem a responsabilidade de operar o equipamento com cuidado e atenção, executando algumas manutenções preventivas (eventualmente preditivas), diagnósticos iniciais de problemas, correções de problemas simples ou repetitivos. Ele deve ser treinado para essa finalidade, sendo necessário um perfil interessado, disciplinado e comprometido. O programa obedece a procedimentos pré-estabelecidos e padronizados, privilegiando segurança e pró-atividade.

 

TPM e o Lean

O TPM é, geralmente, incluído entre as diversas técnicas de Lean Manufacturing, não apenas pela origem histórica, mas porque é, efetivamente, um grande auxiliar na busca pela redução de desperdícios, sobremaneira de espera e defeito.

 

Etapas de Implantação

  1. Como na grande maioria dos programas que demandam mudança significativa, também o TPM deve estar respaldado pela alta direção, que deve mostrar a necessidade e os ganhos que se poderá ter com a adoção e prática do TPM;
  2. Elaboração de um cronograma;
  3. Estruturação da gestão do programa;
  4. Divulgação e marketing interno, com datas de implantação do programa;
  5. Treinamento dos envolvidos;
  6. Elaboração das instruções de trabalho e procedimentos necessários;
  7. Início em área piloto;
  8. Gradativa adoção generalizada.